sexta-feira, 15 de agosto de 2008

eternidades da semana >> 09/08/2008 a 15/08/2008

Abrindo mais uma seção no blog, eternidades da semana trará semanalmente (duh!) os discos que eu ouvi pela primeira vez durante a semana, acompanhados de mini-resenha. Só entram discos que eu nunca havia escutado antes, mesmo que sejam mais velhos que Elvis.

Aqui aparecerá música de todo tipo, de gospel a metal extremo, passando por MPB, samba e qualquer outra coisa sonora que passar diante de mim.

Quanto a letras, normalmente só farei comentários a respeito das que forem em português.

Nesta semana, os discos novos que passaram por estes calejados ouvidos foram:

I WRESTLED A BEAR ONCE - I Wrestled a Bear Once
(Independente, 2007)

Indicação de Herr Kerzer, IWABO é uma banda de loucos varridos. Imagine um deathgrind ultraviolento e bastante técnico cantado(!?) com direito a alternância entre guturais e rasgados. Imagine que esses vocais são emitidos por uma mulher, com voz suficiente pra envergonhar muito marmanjo por aí (ainda que provavelmente ela utilize algum complemento eletrônico). Imagine que o som feito pela banda é completamente quebrado, com alterações de tempos e mudanças o tempo inteiro. Imagine, ainda, que um dos membros da banda é um tecladista e DJ e as músicas do grupo têm inúmeras intervenções de instrumentos eletrônicos com passagens dançantes. Imagine que, além disto tudo, há trechos onde a vocalista canta com voz limpa, fazendo a banda soar como um Evanescence experimental. Por fim, ponha nessa banda o esdrúxulo nome de I Wrestled a Bear Once e você terá como resultado o viciante disco aqui comentado.

Mesmo ouvindo de tudo - tudo mesmo! -, não canso de me surpreender (felizmente de modo positivo na maioria das vezes) com essas bandas malucas que volta e meia me aparecem. IWABO, desde já, entrou para o seleto grupo das bandas preferidas.

Veja um clip da banda:



DISKREET - Infernal Rise
(Siege of Amida/Candlelight, 2007)

Normalmente, descarto de cara bandas ou discos com bobagens relativas a demônios, satãs, infernos e coisas do tipo. Porém, atraído pelo estranho nome da banda, acabei arriscando uma audição e Diskreet acabou se revelando uma boa surpresa. Os estadunidenses fazem um death/grind não muito original, seguindo todos os cânones do estilo, mas bastante competente. Destaque para Infernal Throne - apesar do título bobo - e The Bigger Complex. Infernal Rise é o único trabalho da banda até o momento e uma boa pedida para os fãs do chamado "technical death/grind". Pancadaria das grossas.


LYE BY MISTAKE - Arrangements for Fulminating Vective
(Lambgoat, 2006)

Um dos melhores e mais inovadores discos ouvidos nos últimos tempos. Basicamente, é uma banda de mathcore com fortes influências de grindcore e jazz, levada a cabo por um quarteto de virtuoses. O disco é simplesmente excelente, porém não possuo condições de descrevê-lo de modo adequado, tamanha a quantidade de elementos e a complexidade das músicas. Definitivamente, não é música ambiente. Vale a pena MESMO. Forte candidato, desde já, a melhor eternidade da semana de 2008.

Os caras tocando ao vivo a música mais legal do disco, Nero's Intention:



BONDE DO ROLÊ - With Lasers
(Domino, 2007)

Logo de cara um aviso: Bonde do Rolê é uma "banda" de funk. Nada de James Brown, estou falando de funk carioca, pancadão, mas uma banda curitibana formada por brancos de classe média. Isto faz toda a diferença (não necessariamente pra melhor!), ou seja, não é funk "de raiz", mas um pastiche que junta o escracho grosseiro e a batida do funk com samplers improváveis de guitarras distorcidas e um grande número de eletroniquices alheias ao funk mais tradicional.

Além de um DJ, a banda é formada por dois vocalistas, um homem e uma mulher. Ela se dá bem, pois canta(?!) à moda das funkeiras de Dança da Motinha e afins. O vocal dele é uma merda sem muito destaque, mas quem se importa? As músicas versam sobre temas tais como a relevância sexual do ânus, a sexualidade de James Bond e as desventuras sexuais de uma cachorra (a vocalista, no caso), tudo narrado nas mais escatológicas minúncias.

Por incrível que pareça, a banda tem feito muito sucesso no exterior. Caso algum leitor se interesse por correr atrás da coisa, prepare o coração pois a baixaria é extrema. Se você se leva a sério, passe longe. Só escute se tiver - muito! - senso de humor.

Um comentário:

thiago kerzer disse...

Me passa essa parada aê depois! É massa!!