domingo, 17 de agosto de 2008

eu fui >> Mukeka di Rato em Macaé (16/08/2008)

Conforme anunciado outro dia aqui no blog, neste sábado fui ao show do Mukeka di Rato em Macaé. No mesmo dia se apresentaram as bandas Residüs (daqui de Campos), Cervical e Protesto Suburbano, ambas de Macaé.

Além de mim, saíram na mesma comitiva os loucos André Zamana, Gustavo "Star Wars", Thiago Kerzer e Érica (noiva do Thiago), arrastada à insanidade por este. Ao chegarmos lá, pouco antes das 19 horas, não havia quase ninguém. Gustavo ficou por lá e saímos os restantes para procurar algum lugar pra comer. Na volta, descobrimos que perdemos o show do Residüs. Mas a esfiha e o kibe estavam ótimos! E provavelmente estávamos ouvindo Bonde do Rolê na hora do show. Nota zero para nós, pois relatos no local - Gustavo - disseram que foi um dos melhores shows da banda.

A seguir, foi a vez do Cervical, do camarada Pascoal. Eu já havia assistido a um show dos caras em Campos e a coisa é realmente destruidora. Um hardcore fodido e muito bem executado. Até entrei na roda, e havia milênios que eu não fazia isso. A grande diferença deste para o show que vi em Campos foram as músicas cantadas em uníssono pela galera. Na empolgação com o show, até esqueci de tirar fotos. Thompson ficaria orgulhoso de meu desempenho como jornalista na cobertura de Residüs e Cervical. Posso dizer apenas que a roda estava do caralho e a banda com excelente presença de palco. Já que não teve foto da banda, pelo menos tirei uma da Água Mineral Cervical, que rolou - na verdade, foi inventada - por lá.

Da metade pra frente decidi abrir mão do purismo gonzo e pelo menos tirar umas fotos dos shows. Era a vez do Protesto Suburbano. A banda já é velha conhecida e fez mais um ótimo show. Assim, como aconteceu com o Cervical, todas as músicas foram berradas em coro pela galera. O ponto alto foi a clássica S.O.S. Praia do Pecado, que me fez entrar na roda e tomar um belo soco - com desculpas prontamente pedidas, como de praxe. E desta vez teve foto!

A última banda a se apresentar foi o Mukeka di Rato. Quem esperava que, agora, com gravadora famosa e tudo mais os caras fossem ficar menos toscos, se enganou. É, ainda bem, o mesmo Mukeka de sempre. Pancadaria desenfreada e uma quantidade tão grande de pessoas em frente ao palco que a roda se tornou uma massa compacta de pessoas deslizando de um lado para outro. Deslizando, porque o chão estava completamente molhado por milhões de cervejas derrubadas no meio da roda. Como eu sou um mukekeiro old school e só conheço os dois primeiros discos, boa parte das músicas eram desconhecidas para mim, mas isto não fez a menor diferença! A atuação do público foi um show à parte (as músicas Mickey e Burzum Marley, por exemplo, foram estupradas por fãs afoitos que subiram para cantar, esta última pelo George, vocal do Residüs). Volta e meia o vocalista Sandro se jogava do palco no meio da galera: numa dessas consegui cantar um pedaço do refrão de Pasqualin na Terra do Xupa-Kabra. As músicas? Bom, além das já citadas, pude reconhecer Cobra Criada, Heróis da Nação Falida, Quer ir? Vai!, Homem Borracha, Praia da Bosta e outras que não vou me lembrar. Só clássico! Enfim, não foi o melhor show que eu assisti na vida (esse privilégio ainda é dividido entre o Imago Mortis em 1999 e o Sheik Tosado no Rock In Rio 3 [e o El Efecto em Macaé, 2005]), mas Mukeka di Rato é diversão garantida, sendo com certeza um dos melhores shows de hardcore pra se ver no Brasil.

[aviso: Fui editar o post para mexer na foto da água mineral, fiz merda e acabei apagando-o e tive que recuperar uma versão do meu HD. Então, se há alguma coisa diferente nesta versão em relação à anterior, não é o blogspot que ficou maluco.]

4 comentários:

Vitor Menezes disse...

Bonito!!!! Nem chama os amigos!!!!

Rodrigo Manhães disse...

Se eu soubesse que você se enveredaria pelas profundezas do underground o convite certamente seria feito! Vou cobrar na próxima, véio! rsrsrs

thiago kerzer disse...

Mukeka realmente é algo que vale (e muito) ser visto! O som tava uma merda mas o show foi magnífico! A atuação de Sandro só perde para a do Vocalista da Clássicos Eternos!!

Rodrigo Manhães disse...

Caralho! Eu tenho que assistir a um show dessa banda aí então!