quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Fé na urna eletrônica

Quem me conhece - e vem alguém aqui que não me conhece? - sabe que sou desenvolvedor de software nas horas não vagas. Pois numa destas horas descobri um interessante texto a respeito das nossas incensadas urnas eletrônicas, contendo uma esclarecedora entrevista com um especialista em segurança da informação e alguns links para aprofundamento.

A conclusão é simples: estamos colocando fé demais em uma tecnologia obscura e fechada (li em algum lugar que só agora, para as eleiçoes de 2008 as urnas utilizarão Linux; o artigo que linkei, porém, fala em WindowsCE), e, nos moldes atuais, de difícil auditoria e pouquíssima transparência. Nota para os não iniciados: o sistema operacional Linux possui o código-fonte aberto, o que facilita auditorias e verificações. O VirtuOS, sistema utilizado até agora, é uma caixa-preta inauditável; o WindowsCE, caso seja utilizado, também. Além do problema tecnológico, os órgãos responsáveis pelas eleições não têm colaborado no que tange à verificabilidade do processo.

É necessário dar o máximo de transparência ao processo, para que a democracia representativa não se torne algo ainda pior do que já é, e com isso eliminando para sempre a já ínfima possibilidade de mudança real pela via institucional.

3 comentários:

thiago kerzer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thiago kerzer disse...

Faça o mundo melhor: VOTE NULO!

"minha mãe não pariu nenhum punk
no entanto, aqui estou eu

Rodrigo Manhães disse...

Dada a nossa situação local, eu só posso concordar.