quarta-feira, 10 de setembro de 2008

eternidades da semana >> 01 a 07/09/2008

Com atraso (tempo, tempo, mano véio, falta um tanto ainda, eu sei, pra você correr macio), aí vão as eternidades da semana passada.

ACADEMIA DA BERLINDA - Academia da Berlinda
2007

Academia da Berlinda é um coletivo de músicos oriundos de várias bandas conhecidas do Recife como mundo livre s/a, Nação Zumbi e Eddie, tocando uma saudável mistureba de rumbas, carimbós e outras coisas que me parecem familiares mas não fui capaz de identificar. O som soou um tanto pop para ouvidos acostumados com Siba e a Fuloresta e Lia de Itamaracá ou mesmo coisas mais "modernas" como Silvério Pessoa e Mestre Ambrósio.

Os destaques do disco vão para Academia da Berlinda, uma espécie de rumba (ou pelo menos eu acho que é isso!) com um ritmo contagiante, e Envernizado, com boa participação de Jorge du Peixe (Nação Zumbi) nos vocais. Outras músicas têm um leve jeito de axé music, mas são quase todas bem legais.

O disco contou com participações de figuraças da música pernambucana moderna como Zero Quatro e China, além do já citado vocalista da Nação Zumbi. Não é a nova revolução pernambucana, mas é um disco divertido, praiano. Pena que o descobri em pleno inverno.



WALTER FRANCO - Ou Não
1973

Comentar um disco desses é uma tarefa ingrata. Ou Não, disco de estréia de Walter Franco, é um disco inexplicável. Artista considerado "vanguardista", o disco é experimental do começo ao fim. Seja com o MPBismo doentio de Mixturação, a forrozeira torta de Xaxados e Perdidos, os absurdos vocais de Pátio dos Loucos ou o radicalismo experimental de Flexa, é um disco completamente atípico. Um fato interessante é que Água e Sal e No Fundo do Poço lembram Arnaldo Antunes, tanto nos vocais quanto na letras meios concretistas.

Enfim, é um ótimo e imperdível disco, mas somente indicado para mentes abertas e para quem quer conhecer um pouco mais do lado underground da MPB. Ou não.

Nenhum comentário: