quinta-feira, 13 de agosto de 2009

dc comics no lance

SUPERMAN 64 e 65
BATMAN 64 e 65
LIGA DA JUSTIÇA 64 e 65
NOVOS TITÃS 45 e 46
SUPERMAN & BATMAN 33 e 34
UNIVERSO DC 10 e 11
OS MELHORES DO MUNDO 9 e 10

Tirando o atraso dos quadrinhos DC. Coleciono quase tudo da DC que sai no Brasil (não compro os especiais de coisas antigas, ler super-heróis de antes dos anos 80 é pura autoflagelação) mas não tenho lido desde meados do ano passado, quando perdi alguns números. Resultado: acabo de ler as edições de março e abril de 2008.

Vale destacar:
1) O início da reformulação do Superman por Geoff Johns e Richard Donner (sim, o diretor dos filmes clássicos do Superman). O que eles têm feito é, na minha opinião de fã chato, destruir a melhor versão de Superman, feita pelo John Byrne nos anos 80 e que perdurava até então, e substituir por conceitos toscos pré-Crise nas Infinitas Terras como Clark Kent desastrado e bobão, kriptonitas coloridas e com efeitos variados e a pior de todas as mancadas: Lex Luthor como um cientista louco e foragido. A melhor sacada do Byrne foi caracterizar Lex Luthor como um megaempresário, um verdadeiro filho da puta, um vilão real que via no Superman um empecilho a seus negócios. Nada de entrar em robôs gigantes para destruir Metrópolis (o que, por sinal, ele desgraçadamente já fez nesta nova versão). O ápice desta abordagem foi já nos anos 2000 e alguma coisa, com Luthor eleito presidente dos Estados Unidos. Infelizmente a DC não soube aproveitar isto. Mas vamos ver no que dá. Pode ser que eles consigam dar um bom enfoque a este revival.

2) A nova Liga da Justiça de Brad Meltzer parece ser legal. Depois do excelente arco centrado no Tornado Vermelho, a Liga se reagrupa. Só não gostei nem um pouco de eles ressucitarem a Sala da Justiça, igual a do desenho dos Superamigos. Será que é tão difícil perceber que o mundo anda para frente e parar de ficar catando migalhas do que foi feito no passado. Já não bastou terem cagado a origem da Liga pós-Crise e recolocarem a "trindade" como fundadora? Assim como no item 1, porém espera-se que consigam extrair algo legal disto.

3) O Coringa dos quadrinhos sofreu, nas competentes mãos de Grant Morrison, uma guinada mental e se aproxima da versão de Heath Ledger, com direito a boca rasgada e tudo mais. Uma mudança para melhor, pelo menos.

No geral, apesar de apanhar das resenhas do UniversoHQ mês a mês, estes dois meses tiveram boas histórias na DC, ainda que a premissa de resgate do duvidoso passado da DC não me agrade.

Um comentário:

Maxoel Barros Costa disse...

1) E em uma dessas edições há um "JLA Classified" (enfocando o Jonn J'onz) que mostra a origem "nova" da Liga, sem a Trindade.

2) O Coringa do Morrison, cronologicamente, veio antes da versão cinematográfica. É só ver que "O Cavaleiro das Trevas" estreou no Brasil no dia 18 de julho de 2008. A revista que contém essa reformulação foi Batman # 65 (Panini), de abril de 2008 e saiu originalmente quase um ano antes. Agora, se isso foi encomenda da Warner, dona da DC e, consequentemente, do Batman, para aproximar a s duas versões, não sei.