sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Declaração de voto: Chico Alencar (PSOL)


Esta será a segunda vez que voto no Chico Alencar para deputado federal, e por um motivo simples. Mais que preciso, é absolutamente necessário ter na Câmara vozes de esquerda que não estejam ligadas ao arco de alianças (e esse arco inclui boa (?!) parte da pior direita) que sustentou o governo Lula e sustentará o provável governo Dilma. E, vale dizer, a única voz de esquerda no Congresso fora do governo é o PSOL. Bom, tem o PV e o PPS, que acham que são de esquerda, mas até aí todo mundo tem o direito de achar o que quiser, certo?

Estas vozes de esquerda independentes são importantíssimas exatamente por isto: independência. Não têm que atender a orientações partidárias por conta de questões relativas a alianças. Não têm contas a prestar a financiadores de campanha, pois o PSOL não aceita doações de pessoas jurídicas. Ter deputados verdadeiramente independentes e de esquerda no parlamento é algo que não tem preço.

Enfim, precisamos de parlamentares que defendam o não contingenciamento de investimentos em serviços públicos; que combatam a bancada ruralista e lutem pela reforma agrária; que defendam os direitos humanos; que lutem pela redução da jornada de trabalho e pelos direitos trabalhistas; que lutem pelos direitos das mulheres e dos homossexuais; que combatam o racismo; que apoiem os movimentos sociais; que lutem pelas reformas política e urbana. Além, claro, daquilo que deveria, para além de posicionamentos políticos, ser um pré-requisito para qualquer cargo público (mas acaba virando bandeira - falsa - para muitos): honestidade, probidade, ética, responsabilidade, espírito público.

Tudo isto, e ainda mais, é o que Chico Alencar tem feito na Câmara, raramente não sendo lembrado quando são listados os melhores ou mais atuantes deputados federais.

Diante disto, não tenho dúvidas: é 5050 para deputado federal!

2 comentários:

Anônimo disse...

Acho o Chico uma figura respeitável e merecedora do meu voto, mas acho o discurso do PSOL, ainda que idealista, um pouco ultrapassado.

Mariana

Rodrigo Manhães disse...

Mariana,

eu não vou entrar em uma longa discussão a respeito da atualidade do socialismo aqui (mas quem sabe em um post?), mas concordo, se pensarmos em um socialismo à moda soviética, certamente é uma proposta ultrapassada e enterrada pela história. Porém, não é a única possível.

Mas para deputado, eu tenho a tendência a ser bem mais pragmático. Eu quero quem defenda de modo intransigente os trabalhadores, os movimentos sociais e as "minorias". É bem mais por aí meu voto no Chico.