sábado, 28 de março de 2009

Nós e a China

Que a China é mestra em matéria de censura, todos sabemos. Sendo uma ditadura, alguém poderia esperar algo diferente? Que as empresas, desde que possam ganhar sua grana, esquecem da porção política de suas idéias liberais, também sabemos.

Porém, é impressionante como a grande mídia - e até bloguinhos bushianos como o citado - ignora solenemente coisas gravíssimas que acontecem na nossa "democrática" porta, como a censura ao programa da TV Câmara (veja o link). Mais graves, aliás, do que acontece na China ou Irã, por sermos, em tese, uma democracia.

Ademais, é risível tentar, nesta época de fluidez da informação digital, esconder um vídeo se valendo de censura. Pra quem quiser, a coisa toda está no Youtube. Caso não tivesse sido censurada, certamente eu e quase todos os outros não a teríamos visto nem linkado.

terça-feira, 24 de março de 2009

Enquanto fecham a Discografias...

...mais e mais bandas independentes optam por liberar seus trabalhos para download, pois entendem que, sem jabá, a livre troca de arquivos é o melhor meio de divulgação de seu trabalho. Como exemplo, trecho de entrevista com Karina Buhr, do Comadre Fulozinha.

“Vou Voltar Andando” foi feito em SMD, o que faz podermos (e até devermos, pois é uma condição do formato) vender os discos por R$5,00. Vendemos por e-mail no bandacomadrefulozinha@gmail.com (com o frete fica por R$9,00) e nos shows por R$5,00. Em breve, talvez hoje ainda, eu suba no www.sombarato.org, no www.penduradoparasecar.blogspot.com e no www.tramavirtual.com.br
.

segunda-feira, 23 de março de 2009

E não é campanha...

Se alguém se importa, as eternidades da semana voltam no próximo fim de semana, e serão realmente semanais, abrangendo discos, livros, filmes, séries, shows e qualquer outra coisa mais-ou-menos cultural que eu tenha encarado durante a semana. Vamos ver o que sai disto.

Câmbio, desligo.

sábado, 21 de março de 2009

Desafio cumprido, enfim

Recebi um desafio do Rodrigo Rosselini - postar o que vem na 5ª linha de uma página qualquer do livro que se está lendo no momento - e venho cumpri-lo, antes tarde do que nunca:

Este grandioso resultado da análise de Gödel não deve ser mal compreendido: não exclui a prova metamatemática da consistência da aritmética. Exclui sim uma prova de consistência que pode ser espelhada pelas deduções formais da aritmética.

Prova de Gödel, de Ernest Nagel e James R. Newman, Coleção Debates, Editora Perspectiva, 2ª ed, 1998, página 85.

Sempre tive curiosidade a respeito dos tais Teoremas da Incompletude de Gödel e isto me reativou a curiosidade. Os assunto é brutalmente casca-grossa; os autores do livro, porém, prometem que o texto pode ser compreeendido por leitores com "reduzidíssimo preparo matemático e lógico". A coleção de onde vem o livro, por outro lado, não é exatamente um for dummies. Como ainda estou na introdução, não sei em que isto vai dar. Se daqui a uns dias eu for capaz de compreender o texto que citei já estarei muito satisfeito.

Faz um tempinho, eu fiz esta brincadeira aqui no blog, mas não passei à frente (ou seja, se dependesse de mim, os memes estariam extintos), mas, para não quebrar a corrente, faço agora. O problema é que aparentemente todo mundo na blogosfera campista já está nessa, como observado aqui (claro, eu levei 12 dias pra responder a uma progressão geométrica, o que poderia esperar?). Outro problema é que boa parte dos blogueiros que eu conheço têm blogs com temas específicos, o que diminui um pouco o espectro, mas vamos tentar.

Passo a bola para Khristofferson Silveira, Agitador Cultural, Thiago Kerzer e Maxoel Costa. Os dois últimos são blogueiros bissextos, mas vamos ver se se animam.

editado em 24/03/2009, 22h24min: agitador cultural disseminou o meme.

editado em 25/03/2009, 21h46min: Khristofferson também.

editado em 20/04/2009, 0h34min: Maxoel também.

domingo, 15 de março de 2009

O fanatismo não morreu, II

Um bom tempo sem escrever por aqui, a mesma justificativa. Desta vez, é isto que me rouba o tempo. Tentarei, porém, manter a programação normal.

domingo, 1 de março de 2009

Alan Moore, cinema e quadrinhos

Tenho dinheiro suficiente para ficar confortável. Tenho uma vida tranqüila, pago minhas contas no fim do mês. Não quero um monte de dinheiro que dependa de diluir algo do qual tenho orgulho. Essa é basicamente minha atitude quanto à idéia de meus trabalhos serem adaptados para qualquer outro formato.
Alan Moore, aqui.

Se mais criadores pensassem deste modo, teríamos muito mais coisas legais na tal cultura pop.

Quem assistiu a tosqueiras como Constantine ou Liga Extraordinária e leu as obras originais certamente tem muita razão a dar a Moore. Mesmo V de Vingança, um bom filme se analisado sem a comparação com a HQ, deturpa as motivações do personagem principal e sua relação com Evey.

Por outro lado, há quem tenha gostado muito do resultado da adaptação de Watchmen, considerada a obra máxima de Alan Moore. É esperar pra ver.